O sensível e o cruel”

O livro de Juliano Gadelha, professor de Antropologia e Sociologia, aborda temas sobre “Aprendizagem Pelas Performances Sadomasoquistas”

Por: Lima Sousa | Fotos: Acervo

Estante Cultural

“O outro que amamos por significativo tempo pode ir voluntária e impiedosamente ou nós mesmos podemos abrir todas as portas para que ele se vá. Mas esse é o outro materialmente palpável, substância de cor, odor, textura e formas espaciais. Quando algo desse outro fica em nós, em nossas mais profundas camadas sensíveis, de maneira que essa presença sempre se atualiza por ações que sequer remetem diretamente a algo que vivemos com esse outro, é que sentimos o quão forte consiste a potência de vida dele em nós. Atualizar o outro pela lembrança triste ou pela saudade melancólica é um enfraquecimento do corpo, da vida. Mas sentir as marcas que o outro depositou em nós e que nos move a outros é a beleza da presença virtual de quem deixou de viver ao nosso lado para ser um outrem em nós”. (O sensível e o cruel, p.94-95)

Acima, um mote do livro O sensível e o cruel: uma aprendizagem pelas performances sadomasoquistas, de Juliano Gadelha, professor de Antropologia e Sociologia da Universidade Estadual do Ceará (UECE). A obra que aborda temas sobre a experimentação com as performances sadomasoquistas foi recentemente lançada na capital cearense ao lado de um público seleto do autor. Em especial, o trecho evoca em sua essência a base do ‘Sensível’ com relação ao outro que está interligado a nós, ocupando um lugar que se compõe de sentimentos a partir de uma convivência profunda e fácil de romper; Simultaneamente, a essência do ‘Cruel’ é percebida quando o outro se desliga dessa vivência. Na verdade, o ‘Cruel’ não se refere à ‘Dor ou à Saudade’. Também, não é o oposto do sensível, mas, sim, quando o sensível se mostra criador de mundos sem a lembrança do outrora vivido. 

O autor nos dá a impressão que o ‘Sensível e o Cruel’ se unem de forma poética na íntima rotina dos indivíduos. É como assistir uma cena performática de homens que se deixam subjugar pelas lembranças e outros ressignificam a ausência pela beleza depositada em si. Mas, quem afirma se essa interpretação procede é o próprio Gadelha.

“Existem situações na vida que a gente não interpreta. E os autores, autoras e os artistas com os quais trabalho e que proponho na obra dizem a todo o momento que ‘a vida é algo que nos escapa por todos os lados’. É como a frase: “O outro que amamos pode ir impiedosamente e nos abandonar ou nós podemos deixá-lo”. Mas, a força [sensível] que age em você quando outro material sai da relação é o que se carrega do outro. E os índios Tupinambá dizem que nós devoramos algo desse outro que nos potencializa. Você pode sofrer ou está feliz, mas quando a ‘presença sensível’ é forte ela continua agindo dentro do indivíduo. Ela é antropofágica, diz Gadelha   

O início

O primeiro percurso da obra de Gadelha se desenvolveu no período de um ano e seis meses no campo da observação e da escrita. Foi a partir do seu projeto voltado para as performances sadomasoquistas, na grande Metrópole de Fortaleza, que a obra começou a ganhar páginas. O seu primeiro livro é fruto da dissertação de Mestrado em Artes do programa de Pós-Graduação da UFC, sendo aprovado para publicação, pela Editora Metanoia, no mês de fevereiro de 2016 e lançado em abril de 2017 na Livraria Cultura.

Público e Obra

O exemplar configura três capítulos que exploram a cultura BDSM através do conceito que o autor chama de ‘Aprendizagem’. Gadelha apresenta a estrutura da sua obra em: “Aprendizagem 1: Sadomasoquismo como Performance e Outros Possíveis”; “Aprendizagem 2: Aprendendo a Constituir-se pelo Desejo Sadomasoquista: Escrita de Si e Poética da Existência”; “Aprendizagem 3: Cosmologias da Crueldade: O Ovo e os Prazeres, ou Uma Instalação – Performativa” e a “Aprendizagem Interminável”.

Leia mais>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s